Pesquisar neste blogue

A carregar...

terça-feira, 14 de abril de 2015

Há 9 anos...


Nascia a Maria Sem Frio Nem Casa em forma de blogue.


Adormecido mas não morto, ainda resiste. Sereno e calmo, prestes a gritar a qualquer momento, ainda.

Em nove anos, muitas fases de vida, muitas vidas, muita vida. Muitas palavras, muitas caras, muitos sorrisos, algumas lágrimas, alguma música, muitos amores e desamores e sempre muitas Corridas.

Adormecido ou anestesiado, quase vencido por outras modas, mais fáceis de tão instantâneas quanto efémeras, ainda resiste e persiste a Maria Sem Frio Nem Casa em forma de blogue.

Com palavras, que não são dela, mas bem que poderiam ser para descrever estes nove anos...deixa-vos a Maria com UHF:

Nove Anos

"Nove anos é tanto tempo
Passei a correr por aí
Com uma guitarra bandoleira
Espalhando cinzas pelo país

Conheci gente de todo o lado
Floresta minha uivando sem parar
E outra gente daqui bem perto
armas escritas, surdas a matar

Há nove anos soltei amarras
em nove anos peguei de caras - peguei de caras.

Mordi nos sorrisos mais estridentes
hotel à noite - outra cidade
entrei pelos olhos mais descarados
fácil de mais para ser verdade.

Senti o medo à beira do palco
Olhei a cor da provocação
armei cantor esse pateta
a glória da vida é uma canção

.../,,,

Caí no cerco, caí a fingir
a velha história de camas desfeitas
molhei a espera no ouro do whisky (whisky)
um cabotino que o ódio espreita

Em nove anos corri sem parar
com as raízes fora da terra
diverti-me assim sem ligar
a morte cínica de uma fera.

Há nove anos soltei amarras
em nove anos peguei de caras - peguei de caras.

Há nove anos."

ANTÓNIO MANUEL RIBEIRO, UHF, in "Noites Negras de Azul"



Há nove anos...nascia a Maria Sem Frio Nem Casa... e ainda corre pela Vida, entre Corridas, UHF e muito mais. 

sexta-feira, 3 de abril de 2015

O Ensaio-Geral para o 3º Trilho das Lampas, 3 de Abril de 2015

Fui hoje ao Ensaio-Geral para o 3º Trilho das Lampas, Trilho que se irá realizar dia 9 de Maio, com início ao final da tarde de forma a que a maioria dos atletas cheguem à praia antes do Sol se pôr e percorram os restantes kms já noite escura, onde o foco dos nossos frontais indicará o caminho através de marcas reflectoras colocadas ao longo do caminho.

Fiz o  e o 2º Trilho das Lampas, muito a dever à insistência amiga do grande impulsionar da Corrida, responsável pela Meia Maratona de S.João das Lampas desde o seu início, que terá a sua 39ª edição em Setembro próximo, o mestre Fernando Andrade, que também organiza este Trilho e treinos de malta amiga que ultrapassam sempre a centena de participantes, nomeadamente a Meia Nocturna e os Ensaios do Trilho. Com uma postura singular e admirável a nível pessoal que se reflecte inevitavelmente nas suas organizações, tem assim com este senhor, São João das Lampas marcado presença no calendário de muitos atletas e amigos da Corrida. A forma de receber e o cuidado para com o atleta, os pormenores pensados, a humildade e uma forte componente humana, aliados a um profissionalismo crescente, fazem das provas (e treinos) de S.João das Lampas um ícone de referência para todos os que amam a Corrida e a Natureza e faz este Trilho fazer parte do Circuito Nacional de trail da Associação de Trail Running de Portugal.

Fui a este Ensaio-Geral pela 1ª vez e tive pela 1ª vez hipótese de ver o percurso todo com luz do Sol.

Um Sol que se deita sempre na Praia da Samarra aquando das minhas prestações nas edições anteriores do Trilho e este ano não será diferente.

Hoje o Ensaio estava marcado para as 8:30hrs da manhã e nessa altura juntavam-se à volta do coreto de S.João das Lampas, cerca de 150 indivíduos amigos do Trail. Habituais e novatos também nestas lides. Uma breve apresentação e agradecimentos e estavam todos prontos para partir. Prometia-lhes este Ensaio (a custo zero) o percurso da prova para usufruir, bem marcado, um abastecimento a meio e à chegada, instalações para banho, uma boa reportagem fotográfica e sempre um constante apoio. Era prometido a paisagem natural e emoções e experiências vividas dentro de cada um num cenário magnífico.

E o prometido foi sobejamente cumprido. Com o percurso bem marcado, cada um seguiu o seu ritmo e acabou mais ou menos cansado e partido, mas invariavelmente de sorriso no rosto e brilho no olhar. 

Muitos voltarão dia 9 de Maio para a prova. Eu incluída e uma vez mais agradecida ao Fernando Andrade. Muitos voltarão para simplesmente voltar a correr por ali. 

O dia começou com um Sol escondido, que nos poupou, e sem vento ou aragem e um Sol já descoberto para os últimos kms já o calor se fez sentir. O que não acontecerá na 3ª edição do Trilho, Nessa parte do percurso já estarei a correr na escuridão. E se perco paisagem e cenário que hoje vi e senti também com o olhar, no Trilho corrido à noite todos os outros sentidos estarão bem mais apurados e despertos. Os sons e os cheiros far-se-ão sentir de forma especial e intensa, quase pura, e a noite convida e ouço-me respirar assim como os meus passos e o mar, e as aves nocturnas, os batráquios e os grilos, e sinto-me intensamente viva nessas alturas, e se inicialmente estava um pouco renitente com o facto da prova ser feita boa parte às escuras, hoje já não sei se prescindia dessa parte. Talvez não precisasse de tantos kms feitos já de noite, mas isso só se deve ao facto de eu ser bastante lenta. Talvez se a prova começasse um pouco mais cedo. Talvez...

Este Ensaio foi adorável. Mágico. Especial. Transcendente. Tudo o que a Natureza nos dá. Tudo o que S.João das Lampas, Fernando Andrade e sua equipa nos dão. Voltarei sempre! Obrigada Fernando Andrade.

Fotos do Ensaio e outros comentários sobre o mesmo podem ser vistos na página de facebook do evento, aqui.

Algumas imagens (de vários amigos e participantes)












E um pequeno video por Joaquim Adelino - a passagem pela Praia da Samarra:


E para que fique registado: Corri e andei 19,240 Km e demorei para os fazer 2h46m39s.

domingo, 8 de março de 2015

Corrida das Lezírias - 8 de Março de 2015

E as notícias são boas! 

Recomecei os treinos, depois de estar parada desde Novembro e ter andado a tratar as várias micro-roturas que coleccionava num dos tendões de Aquiles. 

Recomecei a correr no início de Fevereiro com breves passos de Corrida intercalados com caminhada. Depois corri 500 metros. Depois 2,5 Km. Depois 3 Km. Depois 4 Km. Depois 6. Depois 8. Depois 12 (não exactamente assim, segui "quase à risca" a regra de 1 forte 1 fácil), e hoje alinhei na Partida da Corrida das Lezírias em Vila Franca de Xira. Corri 15,330 Km em 1h29m02s, numa média de 5:49/Km, a sentir-me muito bem do princípio ao fim. Que mais posso querer? Um dia de Sol para todos vós também e...mais dias assim!



E do meu amigo Zé Gaspar, fico com estas magníficas recordações:



Mais fotos na AMMA - Atletismo Magazine Modalidades Amadoras  


Até breve querido diário

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Boas notícias?

Precisamente quando faz 3 meses que corri pela última vez e depois de um mês de fisioterapia com ultra-sons, laser, corrente eléctrica e massagem, acompanhados de uma consciência constante para todos os movimentos do pé, evitando esticar o dito e movimentos bruscos, é-me dito que o meu Tendão de Aquiles recuperou lindamente, que não preciso mais de fisioterapia e que passamos para a fase seguinte: fortalecimento do tendão, o que deve ser feito com exercícios específicos, caminhada intercalada de breves minutos de Corrida, sempre tudo com muita moderação e a um ritmo calmamente progressivo, redobrando a atenção para o resultado de cada investida, ou seja, vou fazendo e vou vendo como o dito se sente. O nódulo palpável está significativamente menor que há 3 meses atrás e caso volte a aumentar é abrandar na "carga" e retomar. 

Estima-se que este período de fortalecimento do tendão dure cerca de 2 meses, Fevereiro e Março e que portanto em Abril, óptima altura para um recomeço com a Primavera e mais horas de sol,  possa então nessa altura começar qualquer coisa semelhante a "Treinar" no que à Corrida diz respeito. 

"Sim, correr faz bem. Mas corre, como? Quanto?"

"Bem, posso dizer que no ano passado corri a Maratona"

"A Maratona...mas quê, a Maratona de.... 10 Km, por aí?"

Caiu-me tudo e tive de me segurar. Afinal é suposto o senhor perceber de tendões de aquiles, de micro roturas e afins e seus tratamentos. O homem não tem de saber nada de Corrida! Nada! Ana, controla-te! E a Ana controlou-se.

"42 Km...coisa para 4 ou 5 horas a correr, treinos de 2 horas, 3 horas...por aí, a ver?!"

Ele não devia de estar a ver nada, nem ela disse "tá a ver?!" pois supôs que isso iria sugerir uma certa ironia e consequente descrédito em tudo o que ouvira dele e lhe parecera tão sensato desde o início.

Bem, vamos então começar a fortalecer o bicho. Devagarinho e com muita cautela. 

sábado, 31 de janeiro de 2015

Dia de Aniversário

Todos os dias são dias de aniversário. De qualquer coisa. De uma pessoa. De um acontecimento. Alegre ou triste ou mesmo qualquer um desprovido de significado ou valor. O certo é que cada dia que passa assinala muitos outros já passados e vividos. Muitas vivências e muitas emoções. Comemora-se. Festeja-se.


Calhou-me a mim, ter nascido (na realidade não nasci espontaneamente, houve um parto provocado) a 24 de Janeiro de 1969. Comemora-se assim o dia do meu nascimento todos os dias 24 de Janeiro de cada ano. Pretexto para comemorar a Vida, apenas, pois se não os fizermos diferentes, os dias são quase todos iguais. Toma-me de assalto o poder de escolher. De decidir. De querer e de agir. E se muito nos escapa nesta vida, absolutamente indiferente à nossa vontade ou desejos, muito mais está completa e unicamente nas nossas mãos. Cada vez acredito mais nisto e tento-o provar todos os dias.


Assim, escolhi fazer do dia 24 de Janeiro de 2015, 46 anos passados da data em vim ao mundo, um dia feliz. Rodeei-me de amigos, da família e pelo meio, como cereja no tipo do bolo: UHF na Fnac do Colombo. Cara a cara com os músicos, pela proximidade do palco do público, deliciou-me ao som das guitarras, da bateria, das  teclas, das vozes, envolta na melodia, embebida no encanto e não paro de sorrir feliz. 

E ouvir o ídolo da nossa juventude dar-nos os parabéns em cima de um palco para uma Fnac cheia de gente, fez-nos sorrir ainda mais. 

24 de Janeiro de 2015. Um dia feliz.

Foi assim o dia dos meus anos.











Depois, ou antes, ou e ainda...continuo sem correr. Sem correr, sem correr, sem correr, sem, sem, sem, sem...

Um tendão de aquiles cheio de mazelas que se deixaram evoluir e desenvolver durante vários meses (sempre a piorar claro...poucas coisas se tratam sozinhas) não se trata agora com meia dúzia de sessões de fisioterapia.

Há que ter calma. Fazer tudo o que está ao meu alcance e aceitar o que não está nem posso mudar. E por agora, não posso correr ainda. Mas lá chegaremos! Haja optimismo. E Música entretanto! E amigos e sorrisos e outras coisas mais! 

Até breve querido diário

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Estaleiro

Sou um barco e estou no estaleiro... a aguardar reparação.

Remendos, troca de peças velhas, muito usadas e/ou danificadas por peças novas, soldaduras, colagens, linha e agulha ou qualquer coisa que me permita continuar a navegar, atravessar oceanos ou mesmo só atravessar o pequeno lago deste jardim.

Por ora, quieta e parada a aguardar ainda o mestre que identificará as peças a substituir, ou que precisam de manutenção e após diagnóstico fará orçamento e emitirá ordem de trabalhos.

Aguarda-se então, pacífica e serenamente ancorada ao cais, sem deixar no entanto de sonhar com rios e mares e oceanos ainda por navegar.

sábado, 15 de novembro de 2014

Há uma prova em Janeiro...

...a que eu muito gostava de ir. Por várias razões. É um dia depois de completar os meus 46 anos e promete um fim-de-semana cheio do que mais gosto: passear, amigos , família e ...correr! Seria uma boa prenda dada a mim própria.

Tudo é possível, dizem. Faço por isso. E o pé? O pé e o tendão de aquiles? Vão ser clinicamente analisados muito em breve. Piores não devem ficar.

Entretanto corro e sonho. E mesmo com dores, num cenário cinzento, há sempre uma paleta de cores para iluminarmos a nossa vida! Só temos de as usar!

E hoje o treino foi por aqui:


 

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

11ª Maratona do Porto EDP 2014

Em reportagem televisiva, fica 1 hora deste grande evento e desta festa da Corrida que foi a 11ª Maratona do Porto:



domingo, 9 de novembro de 2014

XI Maratona do Porto

Sou do tempo em que se ouvia, escrevia e dizia, em tons tão diversos como o optimismo e o cepticismo e a esperança e o descrédito:

"Ouvi dizer que vai haver uma Maratona no Porto"

Eu,como amante da Maratona, depressa me interessei e se faltei à 1ª edição, a 2ª (em 2005) não me escapou e desde aí estive sempre presente, embora apenas tenha corrido a Maratona na sua 2ª, 3ª e 10ª edição, pois em todas as outras, corri apenas a "Family Race", prova que decorre com Partida em simultâneo com a prova rainha e que tem variado a sua distância entre os 14 e os 16 Km, e em 2007 tentei correr a Maratona mas desisti ao km 30.

Tenho portanto assistido bem de perto ao crescimento e evolução da Maratona do Porto. Vejo-a no caminho certo, em passos seguros, ponderados, e com muito trabalho e empenho, é vê-la de ano para ano a crescer, a melhorar, a bater records de participação (este ano atingiu o número record de Maratonistas chegados à meta em Portugal: 4044 Maratonistas!) e sinto uma admiração profunda e também uma felicidade genuína pelo seu sucesso. Orgulho-me de Portugal ter e oferecer a todos uma Maratona de qualidade corrida na bonita cidade do Porto e nas ruas de Matosinhos e Gaia.

Uma feira atractiva, bonita, onde se levantam os dorsais e o kit do atleta, e onde decorre a Pasta Party, refeição completa à base de massa, gratuita para todos os Maratonistas. Vários stands presentes, onde se podia fazer testes simples de saúde, obter informações sobre calçado e vestuário desportivo, informações sobre outras Maratonas e um leque diverso de tudo o que interessa ao Corredor e especialmente ao Maratonista.









Levou a Runporto, como sempre tem feito, de Lisboa ao Porto, este ano 222 participantes no evento, dos quais 180 inscritos na Maratona, pelo modesto custo de EUR 12,50 ida e volta, em 4 autocarros. Um serviço oferecido pela Runporto e que tenho o privilégio de coordenar há uns bons anos.



Foi a 11ª Maratona do Porto e aconteceu no dia 2 de Novembro de 2014. E foi uma vez mais, um estrondoso sucesso!

Muitos Parabéns à Runporto!

E eu mais uma vez estive lá. A correr os 16 Km da Family Race, em 1h36m. Pormenores de relativa importância. Importante mesmo é estar lá. Presente! Entre os Maratonistas. Correr. Participar!

E sim, claro que tive pena de dar por terminada a minha corrida aos 16 Km, mas a Maratona merece respeito e não iria outra vez desrespeitá-la. Fi-lo uma vez (em 2007) em que alinhei na Partida sem preparação suficiente e fui "obrigada" a desistir ao km 30. Não iria repetir a experiência.

E os 16 Km correram-me muito bem. Sim, dói o pé e o tendão de aquiles mas suportou-se. Agora é tratar e um dia voltar às Corridas. Maratona para o ano? Sim, já é habitual a promessa: para o ano é que é! Talvez sim, talvez não, como tanta coisa na vida. Algumas imagens de amigos, conhecidos e desconhecidos. A todos o meu Muito Obrigada pelos momentos perpetuados em imagens captadas!









E descubram-me neste video (de José António Silva) entre o 00m59s e o 1m05s:

A Maratona do Porto está-me no coração e tudo farei para o ano lá estar a contribuir para um novo record de atletas chegados à Meta numa Maratona magnífica, neste Portugal dos pequeninos e dos grandes. E a Runporto, com o seu principal mentor, director da prova, Jorge Teixeira é grande assim como toda a sua equipa, que acreditam, trabalham e em 11 edições levaram a Maratona do Porto a um patamar de qualidade e grandeza quer a nível nacional quer internacional, inimaginável há 10 anos atrás.

E porque tenho amigos, que correm a Maratona mas porque eu a não corri, acharam que eu merecia receber o prémio mais doce (a seguir à medalha, claro!), eis a garrafa de Vinho do Porto, com o logotipo da prova, entregue na meta a todos os Maratonistas, e que repousa em minha casa e aguarda a hora de ser degustada: